quinta-feira, 3 de julho de 2014

Poesia Punk.


Hoje eu quero desviar o que é certo
Deformar os modelos
Embriagar os ingênuos
E gozar sobre imagens feias

Hoje eu quero vomitar na igreja
perverter o que é santo
Flertar com a vertigem
e romper essa origem de gado

Hoje eu vou para a rua deitar no concreto
Pra fugir do abstrato
que expele o extrato de suco cerebral
Corromper a mente das suas crianças
fazê-las rasgar a garganta da falácia moral

Quero também colocar o dedo no buraco da sociedade
Até que ela berre e se borre, que estremeça de dor
Que venha a bomba e se explodam as regras da humanidade
Celebra-se o Caos ! É chegado o AMOR.

Mas não aquele amor Holywoodiano e nem pseudo-cristão
Não aquele amor Shakersperiano e nem sado-pagão
Mas o AMOR Anárquico, livre das máscaras
Ao som dos três acordes apocalípticos do punk rock...